sábado, 2 de agosto de 2014

Diretório de Comunicação da Igreja no Brasil

Depois de os bispo italianos terem publicado, em 2004, um diretório sobre comunicação social, intitulado Comunicazione e Missione, a Igreja do Brasil publicou também o seu Diretório.

Este Documento brasileiro é composto por dez capítulos, que tratam dos diferentes conteúdos da comunicação, são eles: 1. Comunicação e Igreja no mundo em mudanças, 2. Teologia da Comunicação, 3. Comunicação e vivência da fé, 4. Ética e Comunicação, 5. O protagonismo dos leigos na comunicação evangelizadora, 6. A Igreja e mídia, 7. Igreja e mídias digitais, 8. Políticas de comunicação, 9. Educar para comunicação e 10. Comunicação na Igreja: a atuação da Pascom.
Em cada capítulo, além das reflexões apresentadas, são oferecidas pistas de ação para a formação, articulação, produção e espiritualidade da comunicação.

O Diretório é destinado aos responsáveis que atuam na comunicação eclesial e nas relações com a sociedade. O texto oferece conteúdos com referenciais comunicacionais, sociológicos, éticos, políticos, teológicos e pastorais.


Apresentamos aqui alguns números que são essenciais para a compreensão do diretório, porém é na riqueza do conjunto de todo seu conteúdo que compreendemos melhor o valor do documento. Todos os capítulos terminam com algumas pistas de ação prática o que facilita na aplicação do diretório nos diferentes âmbitos propostos. O trabalho terá como base quatro eixos: Formação, Articulação, Produção e Espiritualidade.


CAPÍTULO 1 -Comunicação e Igreja no mundo em mudanças: “A comunicação tem
como objetivo primordial criar comunhão, estabelecer vínculo de relações, promover o bem comum, o serviço e o diálogo na comunidade” (Nº. 13).
CAPÍTULO 2 -Teologia da Comunicação: “A Trindade è, por sua natureza, comunicadora. Pai, Filho e Espírito Santo são exemplos da unidade na diversidade. Eles colaboraram intimamente para a realização do projeto divino na história humana. Criando, salvando e santificando, o Pai, o Filho e o Espírito Santo redimem os seres humanos e glorificam para sempre a comunicação nas suas dimensões humana e divina” (Nº. 39).
CAPÍTULO 3 -Comunicação e vivência da fé: “A Igreja existe para Evangelizar e sua missão primordial consiste em comunicar a Boa Noticia do Reino, proclamado e realizado em Jesus Cristo. Isso implica, no mundo contemporâneo, uma pastoral em contínuo estado de missão, com novo ardor, novos métodos e novas expressões” (Nº. 64).
CAPÍTULO 4 -Ética e Comunicação: “A Ética na comunicação consiste em saber se os avanços tecnológicos estão contribuindo para um desenvolvimento humano autêntico e ajudando os indivíduos e os povos a corresponder à verdade de seu destino transcendente” (Nº. 104).
CAPÍTULO 5 -O protagonismo dos leigos na comunicação evangelizadora: “Os fiéis cristãos participam da missão sacerdotal de Cristo quando vivem as realidades do cotidiano, como a vida familiar e conjugal, o trabalho, o lazer e as ações comunicativas, em espírito de oração e comunhão com Cristo” (Nº. 121).
CAPÍTULO 6 -A Igreja e mídia: “É recomendável que a Igreja dialogue com os
responsáveis pela mídia e aprofunde aspectos culturais, sociais, políticos, econômicos e religiosos. Esse diálogo é indispensável para um entendimento dos modos de ação da mídia, em uma busca constante de discernimento. Além disso, a Igreja precisa sustentar e encorajar
aqueles que atuam nos meios de comunicação” (Nº. 144).
CAPÍTULO 7 -Igreja e mídias digitais: “A Igreja tem convicção de que as mídias digitais
não substituem a vida em comunidade e litúrgica presencial, contudo pode completá-las, atraindo as pessoas para uma experiência mais integral da vida de fé e enriquecendo a vida
religiosa dos usuários” (Nº. 176).
CAPÍTULO 8 -Políticas de comunicação: “As políticas de comunicação, concebidas ao longo da história, pautam estratégias de ações concretas dos vários segmentos sociais. Segundo a Constituição Brasileira, cabe ao Estado estabelecer, através do Poder Executivo, um marco regulatório consistente, que defina os limites e as responsabilidades na atuação dos diversos agentes da comunicação, garantir a liberdade de expressão e de imprensa, assegurar as condições, políticas para que sejam exercidas a pluralidade e diversidade das
manifestações de pensamento” (Nº. 203).
CAPÍTULO 9 -Educar para comunicação: “A abertura para com o outro – base do processo comunicativo cristão – exige exercícios de uma prática pedagógica que tem como referência o próprio modo de Jesus se comunicar” (Nº. 215).


Sem comentários:

Enviar um comentário