quinta-feira, 26 de junho de 2014

Pedro e Paulo: a universalidade da salvação

Ao celebrar a Solenidade de São Pedro e São Paulo, que nos ensinam a ver Deus em ação em todas as coisas, em virtude da generosidade do seu amor, é importante, no mundo secularizado e pluralista de hoje, sublinhar de que modo a nossa fé cristã nos conduz a reconhecer, sem qualquer dúvida, que a instituição eclesial não é a porta exclusiva para ser gerado para a vida divina e ser salvo. Num contexto que é, sem dúvida, bem diferente, podemos hoje dizer com Pedro na assembleia de Jerusalém: «Quem somos nós para impedir Deus de agir» (At 11, 17). Somos testemunhas da salvação, mas não podemos medir a sua extensão. Não temos o direito de a limitar.


Claro que, como cristãos, podemos dizer que a graça de Deus para o mundo se manifesta e age na Igreja e pelos seus sacramentos, mas temos também de ter em conta esta outra afirmação de Gaudium et Spes, retomada no Catecismo da Igreja Católica que diz isto: «Visto que Cristo morreu por todos e que a vocação final do homem é de facto única, na realidade divina, devemos considerar que o Espírito Santo oferece a todos, de uma forma que Deus conhece, a possibilidade de serem associados ao mistério pascal» (GS 22, LG 16, AG 7). Quer dizer que o poder salvífico de Deus se estende muito para além das realidades eclesiais. Estas dão testemunho da graça de Deus, mas sem poder limitá-la. A graça de Deus é significada e passa pelos sacramentos, mas essa graça operante de Deus não está ligada aos sacramentos (Cf. CCE 1257). Transborda deles. De facto, o único caminho para a salvação é o caminho das bem-aventuranças. “Bem-aventurados os pobres em espírito, bem-aventurados os mansos, bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, bem-aventurados os que fazem a paz, deles é o Reino dos céus”. Mas estas bem-aventuranças não implicam uma pertença a esta ou àquela religião ou convicção. O Evangelho das bem-aventuranças dirige-se a todos e a todas. Pertence, evidentemente, à tradição cristã, mas força-nos a ver, para lá dessa tradição, o poder criador e salvífico de Deus em todo o ser humano – de qualquer religião, convicção ou cultura – desde que as ponha em prática ou que tenha, pelo menos, o desejo de o fazer.