segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

História do sr.jota


1
O sr.jota sempre foi um senhor de amor e amores.
Amar era o seu caminho, os amores as suas paragens.
Vivia para amar e amou muito, vezes sem conta e modo.
Gostava de amar e sempre que amava de maneira diferente, o seu amor ganhava um nome.
Não o nome da amada mas o nome da forma, da forma como e porquê amava...
Ao amor assolapado e imediato no qual dizia "vem rápido" chamou urgente.
Aquele amor que pedia para ficar e encostar apelidou de prioritário.
Ao outro, feito de admiração que aguentava a distância e de quando em vez o flirt dedicou-lhe a palavra platónico.
Ao amor que perdurava mesmo sem lugar ou tempo chamou independente...
Aquele que chegou e foi, nomeou-o de fugaz e àquele que idealizava nos seus sonhos, chamou isso mesmo: ideal.
E a todos os outros seus amores chamou um nome, um nome que os tornou ainda mais únicos e especiais.
De tal forma que, ainda hoje, o sr.jota trata-os pelos nomes... E nos seus nomes, reencontra o rosto das suas amadas.
O sr.jota foi feito para amar e ergueu-se amando.
Mas, no meio de tanto, sorriu quando se interrogou: alguma vez terá sido amado?...
Esperançado, retrocedeu no seu caminho, a correr loucamente à procura da alegria perdida de ser amado.
Ainda hoje não parou...

2
E correu, correu muito e loucamente.
Por montes e vales, cidades e aldeias, reencontrando as suas amadas, nunca se reencontrando.
A sofreguidão do regresso ofuscava o alento para discernir.
Continuou a correr, cada vez mais e com menos forças.
Até que parou.
Num pequeno banco perdido na sombra da árvore, repousou.
Fechou os olhos para mais tarde reabrir fruto de um raio de sol intenso.
Ergueu-se e percebeu: de tanto andar tinha regressado ao lugar donde tinha partido.
E sem saber se era o fim da sua corrida ou o princípio de um novo caminho, voltou a fechar os olhos.
E a sorrir para o raio de sol que o aquecia.

3
Enebriado pelo calor do raio de sol, reabriu os olhos tempo longo mais tarde.
Observou ao seu redor como um forasteiro chegado à cidade nova.
Tudo parecia novo, estranhamente novo, mesmo aquilo que tratava pelo nome.
Afinal reconhecia não conhecer o lugar de onde tinha partido.
E como o forasteiro na cidade nova, vagueou, deambulou à procura não sabe do quê, porquê e para quê.
Não buscava comida nem guarida, tão pouco companhia.
Apenas errava pela cidade... Até voltar ao banco perdido na sombra da árvore.
E naquele momento percebeu que tinha chegado a hora. De recomeçar.

4
Recomeçar experimentando uma certeza: tudo é impossível, nada é possível.
Invadia-o contradição acesa: sabia que não podia ficar, tinha que partir. Simplesmente a vontade não acompanhava a obrigação.
Por isso, foi ficando até não mais resistir.
Não se vive parado, tão pouco se sobrevive.
Vive-se caminhando, sobrevive-se por conta e risco.
E tendo-se muito em conta mas receio dos riscos que recomeçar acarreta...partiu!
Procurou firmeza no passo, não experimentou olhar para trás.
O tempo que passa serve para ensinar e não para chorar.

5
Partiu julgando-se livre do passado, livre para o futuro.
Esqueceu-se que o futuro não se ergue sem História, que a memória não se apaga por vontade.
E ao caminhar, cedo percebeu que tudo conhecia, tudo nomeava.
Apenas uma diferença: o sentimento divergia do conhecimento.
E os lugares, as pessoas foram-se renovando aos seus olhos, no seu coração...

6
Do lugar onde nasceu viu apenas uma cidade.
Sem afecto e estórias.
Da família herdada encontro-a pequena.
Sem a família escolhida, os amigos.
Do trabalho entendo-o como obrigação.
Algo que se faz sem sorriso.
E de tudo concluiu que o conhecimento renova-se, a memória também.
Logo perguntou: porquê tudo aparentar sem sentido?
A resposta não tardou.
Não basta saber ou recordar quando falta a emoção.

7
A emoção não se conquista, simplesmente existe.
A emoção não enriquece, simplesmente diferencia.
E ajuda a distinguir e escolher.
Na sua mente clarificou-se o pensamento.
O seu caminho, o novo caminho, não faria sentido sem emoção.
Parou imobilizando o passo e preferiu sentar.
Sentar para pensar.
E com o passar do tempo, simplesmente esperar que a emoção chegasse.
Agora uma certeza tinha.
A emoção é como o ar: não se vê, não se ouve, não se toca mas não se vive sem ela.

8
Sabia:
O conhecimento ajuda, a memória ensina.
A emoção singulariza. E une todas as partes do todo.
Permaneceu sentado à espera. Da chegada da emoção.
Que tardava, que tardou…
A emoção não chega por decreto. Apenas por sentimento.
E ninguém controla os sentimentos.
De tanto tardar, os dias foram passando.
Dia e noite, luz e sombra.
Mutações ora subtis ora bruscas. Nuances ou rupturas.
Mar de coisas nunca valorizadas, nunca reparadas.
E, na espera, foi percebendo:
Afinal o caminho não passa de um modo de ver…
Que se afunila com o tempo e com o medo.
Que nos faz perder o Bem que nos visita e não chega a entrar.

9
Sentado, esperava pela emoção.
Tardou a perceber que chovia.
Pequenas gotas frescas e transparentes.
Sentiu-se bem.
E relembrou do quanto gostava da chuva para caminhar.
E do vento a bater no rosto enregelado que fixava o sorriso.
E da sensação livre de caminhar sem destino ou tempo. Apenas prazer.
E de pensar livremente nos seus momentos únicos de isolamento.
E de sonhar fantasiosamente quando a dura realidade pedia alguma magia.
E relembrou tanto prazer anónimo experimentado.
Nem sempre valorizado!

10
Rebobinou toda a sua vida.
Pelo menos aquela que a mente alcança e suporta.
E reviveu fugazmente tantos destes momentos desvalorizados.
Envolto nos amores e Amor vividos, percebeu que não percebeu…
… O quanto feliz poderia ter sido.
Preocupado com os outros, esqueceu-se de si próprio.
E constatou.
Viver intensamente os momentos que são nossos não é egoísmo.
É também uma forma de ser feliz.

11
Reavivou a exigência (quem sabe) dialéctica dos seus amores.
Estes exigiam tempo e atenção. O centro do mundo.
Ele exigia-se capaz de todas as respostas. O suporte do mundo.
Para conquistar um sorriso, abdicou…
Para alcançar um carinho, dedicou-se…
Para não entristecer, recuou…
Para não magoar, aventurou-se…
Na certeza que só assim seria amado.
De tanto querer, julgou muito ter conquistado, tornado único e insubstituível.
Esqueceu-se da evidência.
Não se gosta verdadeiramente por aquilo que damos. Simplesmente por aquilo que somos.

12
Repetiu a pergunta “será que alguma vez fui amado?”
E voltou a repetir.
Fazendo desfilar na sua mente imagens atrás de imagens dos momentos vividos.
Até que parou quando, de olhos fixados no chão que pisa, encontrou uma simples folha branca.
Com uma frase escrita.
Nunca seremos amados se não nos amarmos a nós próprios.
E o amor próprio obriga-nos a ser quem somos.
Por inteiro!
E nunca o que querem que sejamos.
O primeiro é próprio de uma pessoa.
O segundo não passa de uma imagem.
Que se apaga quando a solidão chega.
E quando já não sabemos conviver com quem nos acompanha inevitavelmente:
Nós próprios!

13
Resgatou o papel do chão e dobrou-o.
Dobrou-o cuidadosamente para guardar no bolso do casaco.
Para reler sempre que quisesse.
E com medo.
Medo que a memória fosse curta. E se perdesse no primeiro amor encontrado.
Guardou.
E sentiu-se mais confortável. E robustecido.
Mas ainda sem vontade e forças para retomar caminho.

14
Sentia-se apatriado. Sem pátria ou destino.
Não porque faltasse caminho físico.
Esse estava ali, à sua frente.
Era só levantar e caminhar.
Mas porque ainda faltava a emoção, o condutor do coração.
Interrogou-se: o que fazer para chamar a emoção?
Sorrir? Saltar? Gritar? Suplicar?
Pensou horas a fio, tempo atrás de tempo.
Nada mais conseguiu do que uma simples evidência:
A emoção é o resultado da nossa aceitação.
Assim como somos!
E aceitou.

15
E ao aceitar, verificou que não tinha que partir.
Mas sim voltar a partir. Ou repartir.
E sorriu.
Porque repartir também é partilhar.
Dividir por todos oferecendo o bom que temos sem contas ou condições.
E emocionou-se.
Porque se sentiu capaz de dar, com vontade de dar, com talento para dar…
Chorou.
E as suas lágrimas fizeram uma pequena poça de água aos seus pés.
Olhou e viu-se reflectido.
E gostou do que viu. Assim, despido e sem truques.
Descobriu-se a si próprio.
E sorriu.
Sentiu-se bem e fortalecido.

16
Tão fortalecido que se levantou.
Com determinação e vontade.
Sobreviver é obrigatório.
Garantir que o corpo não dorme e a memória não se apaga.
Afinal, o que tinha feito.
Viver é necessário.
Alimentar o corpo, enriquecer o espírito.
O que descobria agora.
Conviver é felicidade.
Partilhar a vida com todos e consigo mesmo.
O que desejou ardentemente.
E sentiu-se firme. E emocionado.
E impelido. A voltar a partir.
Rasgou um sorriso.
E simplesmente retomou o seu caminho!

Fi

1 comentário:

  1. Hoje, ao ler este texto, revi-me em grande parte do conteúdo. Gostei bastante da sensibilidade do Fi para as pequenas coisas, que só grandes pessoas conseguem ver...
    Beijinhos Fi. Escreves bem, mas isso era a parte da história que já toda a gente sabia ;-).

    ResponderEliminar