terça-feira, 11 de agosto de 2009

Uso da Bíblia na formação de catequistas

Apresentamos aqui um testemunho dum grupo de catequistas da diocese de Ávila que, depois dum curso de iniciação bíblica, sentiu necessidade de mais alguma coisa.



1. A quem iremos nós, Senhor? (Jo 6,68)


Com esta pergunta, que resume a inquietação de muitos catequistas da diocese de Ávila, começa uma experiência de formação bíblica que já tem dois anos de vida.


A necessidade era clara:

* O material catequético utiliza cada vez mais citações bíblicas e pressupõe que o catequista é capaz de situar, interpretar, actualizar... cada texto no seu contexto e dar-lhe o valor catequético que eles pretendem.

* Existe a intuição de que nos textos bíblicos se encontra uma enorme riqueza de recursos didáticos capazes de abordar duma forma viva e atraente a mensagem a transmitir.

* As celebrações litúrgicas adquirem variedade, criatividade e, sobretudo, profundidade e vida, a partir do aprofundamento dos textos bíblicos.


Mas, como tirar tanto "sumo" dum "livro" tão difícil como a Bíblia? Que fazer? No Secretariado da Catequese foram pensadas várias soluções, inclusive a de conferências a fazer por peritos. Foi posta de lado esta solução, porque não atingia as zonas rurais, que eram quem mais precisava. Além disso, não se tratava apenas de "ouvir". As pessoas simples (a maioria das pessoas) entendem pouco de conferências de peritos. Tinha que ser algo muito mais vivo, mais participativo, mais simples, mais "nosso". Algo que implicasse a nossa participação e "complicasse" a nossa vida, porque só isso é que deixa rasto; e que fosse uma coisa que se pudesse fazer em todas as zonas.


Contactámos a "Casa da Bíblia". Daí veio a ideia de fazer grupos bíblicos de catequistas. Era uma fórmula mais experimentada e tanto o Objectivo como a Metodologia e Material eram precisamente o que procurávamos.


Mas, como sempre, o mais difícil não é encontrar uma ideia, senão pô-la a funcionar. A primeira grande dificuldade é que um grupo bíblico não nasce nem funciona se não tiver Animador. Daí a necessidade de encontrar catequistas para animadores e formá-los para isso (não há pessoas mais ocupadas que os catequistas!). Utilizaram-se todos os processos para a "captação" e convocou-se um encontro de fim de semana. Foram convidados 30 e éramos 16 (uma coisa é pregar, outra é dar trigo!).


2. Todas as coisas têm o seu tempo (Ecl 3,1)

Tratava-se de descobrir a que tínhamos sido chamados:

* Fundamento: Abordagem da Bíblia como Palavra de Deus lida em comunidade, e conscientes da sua importância: a Bíblia situa-se no coração da Igreja. E esta tem como prioridade, nas vésperas do ano 2000, responder ao desafio da nova evangelização.

* Objectivo: fazer crescer e amadurecer a própria vida e a própria fé à luz da Bíblia.

* Tipologia do grupo:

- O número ideal oscila entre os 7 e os 12.

- Reúnem-se cada 15 dias, durante uma a duas horas.

- Clima aberto e participativo, que facilita a comunicação entre os elementos e provoca o diálogo contínuo entre a experiência religiosa contida na Bíblia e a nossa própria experiência.

- Algumas pessoas exercem um serviço especial dentro do grupo: animador, secretário, perito...

- O grupo é temporal, com uma duração de vários anos, durante os meses de Outubro a Junho.


* O Animador:

- Convoca, coordena e favorece o desenvolvimento do grupo.

- Tem certa cultura bíblica e pedagógica; mas não é um perito.

- É um autêntico convencido da importância da Palavra de Deus na vida da Igreja; e, portanto, um assíduo ouvinte da Palavra, que necessita conhecer, estudar, meditar e testemunhar com a própria vida.


Depois dum minucioso "desenho" do que deve ser um grupo bíblico, veio a grande pergunta: Estás disposto a ser Animador deste "invento"? Quase todos dissemos que sim. Tínhamos um verão pela frente.


3. Tocai a trombeta...Convocai a assembleia (Jl 2,15)

Com o início do ano, chegou o momento da verdade! Cada animador encarregou-se de fazer a convocatória na sua paróquia. Formaram-se 11 grupos: 4 nas aldeias e 7 na capital da Província. Praticamente todos os membros dos grupos são catequistas. Apenas num grupo, a maioria não são catequistas; mas são pais que procuram no grupo respostas para os próprios filhos. A preocupação pela "transmissão da fé" é o denominador comum de todos os membros, que são maioritariamente adultos.


E começámos! Com todos os medos e com a ilusão das "coisas novas". Nós, os animadores, reunimo-nos frequentemente, com o coordenador diocesano, e...que maravilha!, o "invento" funciona! Isso sim, de onze maneiras diferentes. É curioso: todos recebemos a mesma coisa, mas os grupos são a coisa mais variada do mundo!


É difícil que exista coisa tão flexível e que melhor se adapte a cada tipo de necessidade de formação bíblica: Alguns há que reúnem uma hora por semana; outros hora e meia cada quinze dias; e, outros, uma vez por mês; uns estudam muito material; outros preferem menos "teoria" e "degustar" muitos textos da Bíblia. É como o maná: "Uns recolheram mais, outros menos....Cada um recolhera apenas o que necessitava para o seu sustento" (Ex 16,17-18).


4. Tu tens palavras de vida eterna (Jo 6,68)

Vida! A vida divina! A vida que ninguém nos pode tirar! Essa é a grande oportunidade que recebem todos os que se aproximam da Palavra e dela se alimentam. E o grupo Bíblico participa desse grande "milagre" que, apesar de ser frequente e familiar, não deixa de surpreender. Vem-se ao grupo para "melhorar o serviço" e leva-se a grande surpresa de que se está a receber VIDA. Vida em grupo: Escola de Comunidade:"o anjo retirou-se de junto dela" (Lc 1,38). Quantas vezes temos tido esta experiência de Maria! Quantas vezes temos recebido a "mensagem" do anjo que transmitia a missão e o Anjo nos deixa sozinhos. Por isso, não podemos estranhar que as pessoas que frequentam o grupo há dois anos, a primeira coisa que dizem, quando se lhes pergunta pela sua experiência, respondam: "o grupo é uma ideia genial!". E é-o porque nos "obriga" a fazer o que nos prometemos centenas de vezes: "Deveria ler todos os dias um bocadinho de Bíblia!"; "preciso de orar, mas não tenho tempo!"; "com tantos comentários de Bíblia que há, deveria...". Deveria... mas não há tempo!


O tempo! Somos escravos do urgente, do imediato, e muitíssimas vezes escapa-se-nos o o que é importante, o que é fundamental. E assim vamos andando. A vantagem do grupo é que conseguimos fazer do importante imediato. Porque temos que ir ao grupo com "os deveres feitos", para podermos estar ao corrente do que os outros dizem, para poder colaborar "com fundamento". A quantos livros não limpámos o pó, e pedimos ao Menino Jesus e fotocopiámos...! E, neste aspecto, ainda há muito caminho para andar. Porque estamos pouco habituados a ler, a saborear, a meditar e a orar à luz da Palavra, no encontro directo e pessoal com a mesma. Falta-nos ainda o hábito do silêncio, da escuta e de nos deixarmos guiar pela brisa de Deus, ao entardecer. Pesa demasiado a comodidade do que nos "dizem", "que pensam por nós e nos dêem tudo mastigadinho"


"Pedro disse: Vou pescar. Eles responderam: Nós também vamos contigo. Saíram e subiram para o barco (Jo 21,3). O grupo é uma boa ideia também porque quanto mais experiência temos de Deus, mais necessitamos duma autêntica Comunidade de irmãos para poder partilhá-la. Um ambiente onde cada um é valorizado, conhecido, aceite tal como é. Sem necessidade de máscaras nem disfarces. Não é nada fácil encontrar ambientes destes! Os encontros da comunidade paroquial são massificadores; as reuniões de catequistas são pouco frequentes, apressadas e, além disso, os temas de conversa são as crianças, os pais, os métodos, os resultados... Sempre os "outros"!


Muitos catequistas são membros de grupos onde podem fazer experiência comunitária; mas outros não são. E um sozinho no barco não pesca! Para estes, o grupo bíblico é uma magnífica Escola de Comunidade. Como é difícil, ao princípio, pôr em comum tudo aquilo que deixa entrever a própria interioridade, a experiência de fé! Isto é compreensível, se se tem em conta a prolongadíssima "educação para o silêncio" que se deu na Igreja. É que o diálogo é difícil: prestar atenção ao que fala, e falar ao grupo, preferindo os mini-diálogos ou o "fogo cruzado". É difícil convencer-se de que todos somos emissores e receptores, na mesma sintonia duma fé idêntica.


Mas, pelo número de membros, pelos temas, pela presença do Espírito, que vai criando comunhão, progressivamente, vai surgindo o que cada um leva dentro de si: os encontros, as dúvidas, as lutas, as noites escuras, as luzes, as esperanças... A experiência da fé num Deus que Se manifesta na história, na história de cada um de nós e que caminha connosco. E as pessoas ficam surpreendidas, ao partilhar espontaneamente, o que levam dentro de si mesmas. Há reuniões em que se "apalpa" o Espírito Santo, fazendo verdadeira a profecia de Isaías: "O lobo e o cordeiro pastarão juntos, o leão e o boi comerão palha, e a serpente comerá terra. Não haverá mal nem aflição em todo o Meu Monte santo" (Is 65,25). Porque lobos e cordeiros, panteras e cabritos... há-os em todos os grupos. Mas ninguém come ninguém! Até somo amigos!


5. Estai sempre prontos a responder àquele que vos perguntar a razão da vossa esperança (1 Pe 3,15)

Acontecia uma coisa curiosa: quando começámos o grupo, todos "sabíamos muito"... Bom, reconhecíamos "algumas lacunas" no que se refere ao ambiente geográfico, político, social e religioso da Bíblia, assim como as formas literárias utilizadas, o que impede de distinguir entre o conteúdo revelado e a roupagem que cada autor utiliza para exprimir dito conteúdo. No resto... todos "muito bem formados"!...


Depois, à medida que íamos confiando uns nos outros, foram surgindo as dúvidas, depois as situações que precisavam de ser iluminadas com a Palavra de Deus. Que surpresa e que alívio saber que todos tínhamos "zonas obscuras", todos necessitávamos de ser salvos, todos tínhamos necessidade de pedir ao Senhor que nos aumentasse a fé, porque, apesar de sermos catequistas não "experimentamos" a décima parte daquilo em que "acreditamos" com a cabeça.


Ainda há muitas coisas das que não sabemos "dar razão", mas também há muitas coisas das que sabemos dar razão, mas não são "nossa esperança". Que sorte ter a oportunidade de que nos ajudem a distinguir a luz das trevas! "O Verbo era a luz verdadeira que, vindo ao mundo, a todo o homem ilumina" (Jo 1,9).


6. Sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação particular (2 Pe 1,20)

A forma de trabalho no grupo bíblico supõe uma nova maneira de abordagem da Bíblia. Até agora, a forma de "trabalhar" com o texto supunha: ler e perguntar-se ou perguntar: " A ti, que te dizem?". E a resposta, sobretudo em crianças e adolescentes (que normalmente não se lembram do que o padre disse na homilia!) é muito gráfica, fazem cara de quem "não sabe, não responde"; e nota-se neles um certo sentimento de culpa, porque se dirâo: "Como é possível que a Palavra de Deus não diga nada?". Aos adultos, acontece-nos a mesma coisa; só que sabemos disfarçar melhor!...


Falta-nos todo o processo de acercamento a uma cultura muito diferente da nossa e da qual estamos separados por muitas centenas de anos. Agora sabemos, por experiência própria, que não se pode prescindir de ler o texto no seu contexto histórico, literário e teológico, e que é preciso dedicar tempo à meditação, à reflexão pessoal e de grupo, para encontrar conexão entre essa mensagem e essa situação e o "hoje" da nossa vida pessoal e comunitária; de outro modo, corremos o risco de "obrigar" a Escritura a dizer o que nós queremos que diga, deixando a Deus, que não tem voz, sem Palavra.


Neste sentido, trabalhar cada semana ou cada 15 dias um texto, seguindo o esquema da "Lectio divina" (leitura divina) é um presente do céu, que vai criando hábito. Poucos somos os que, agora, depois de ler um texto, nos lembramos de dizer: "A ti que te dizem?" E é experiência habitual que, depois de "entender" com a cabeça e com o coração, um texto diz muitíssimas coisas que automaticamente são "luz para os nossos passos". A Lectio divina (leitura divina) é um itinerário para ler a Palavra de Deus em constante diálogo com Ele. Foi cultivada pelos Padres da Igreja e, depois, sobretudo pelos monges. Nós queremos recuperar essa experiência. Eis aqui as quatro etapas que eles costumavam seguir:


1. LER - Lectio

2. DEIXAR-SE INTERPELAR - Meditatio

3. ORAR - Oratio

4. TRASFORMAR - Contemplatio


Temos que reconhecer, com profundo agradecimento, que este acesso ao mais profundo da Escritura não seria possível para nós - que ordinariamente não dispomos dum perito em Bíblia - sem o esforço que, nestes últimos anos, fizeram os estudiosos, que dão o melhor da sua vida para que nós possamos entender a Escritura. E o esforço das editoras católicas que, cada vez mais, colocam à nossa disposição livros de introdução ao mundo da Bíblia e à sua leitura com comentários mais fáceis de ler e, ao mesmo tempo, profundos. A variedade de livros e de estudos que nos aproximam do mundo e do conteúdo da Bíblia é extraordinário. Se são caros, o grupo tem ocasião de pôr em prática a "comunhão de bens". Cada um compra o que pode e tira informações onde lhe parece bem, "pondo à disposição dos outros o dom que recebeu (1 Pe 4,10). Isto vai-se cumprindo na medida em que cada um se vai sentindo parte do grupo. E se vão manifestando os carismas, que, ao princípio, eram um pouco forçados.


7. O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos (1 Jo 1,3)

Que diferença falar dum texto, porque está numa ficha e tem uma etiqueta: "texto eucarístico", "texto de envio", "texto sobre a oração"...e falar desse mesmo texto depois de ter sido objecto dum encontro profundo com o Senhor e com o grupo! Que diferente, quando de uma palavra podemos ser TESTEMUNHAS, porque vimos e ouvimos e o nosso coração sentiu que é VERDADE, que essa Palavra se cumpriu, que se cumpre na nossa vida, na vida da Comunidade! Que diferente, quando podemos dizer, com os habitantes da Samaria: "Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos. Nós próprios ouvimos e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo" (Jo 4,42).


8. Os que semeiam com lágrimas recolhem entre cânticos (Sl 126,5)

Quantas mudanças de atitudes se vão produzindo entre nós! Como sempre, mais nuns do que noutros. Poder falar livremente da Palavra, sem sentido de culpabilidade por quebrar um tabú ou destruir algum "mito". Perceber entre os membros do grupo a ALEGRIA de se sentirem os "pequenos" que o Pai escolheu para revelar os segredos do Seu amor salvador. Quantas expressões e gestos desta alegria "que ninguém poderá tirar" se repetem em cada grupo! Não somente nas palavras. É também a falta de pressa na hora de terminar as reuniões (essas pessoas tão ocupadas!); isso leva-nos a pensar que os membros do grupo se vão encontrando com a VERDADE LIBERTADORA que, procedendo de Deus, se manifesta plenamente no FILHO-PALAVRA através das palavras.


Deste modo, a leitura e a meditação da palavra não se queda em pura teoria da fé ou em mera ilusão de salvação individual, mas vai criando a necessidade dum compromisso de vida pessoal e comunitário, a fim de obter a construção e extensão do Reino, hoje mais do que nunca, EVANGELHO DE ESPERANÇA, DE ALEGRIA, DE LIBERTAÇÃO E DE SALVAÇÃO.


Maria Isabel Lopez Fernandez (Paróquia de S. Tiago Apóstolo - Ávila)



Sobre a importância da Bíblia para os carequistas, veja-se D. horácio coelho cristino, Bíblia e ministérios- A Bíblia na "nova" catequese em A Bíblia na nova evangelização, XIV Semana Bíblica Nacional, Difusora Bíblica, 1992, p.179-215.


Sem comentários:

Enviar um comentário