domingo, 22 de fevereiro de 2009

Encontro de Catequistas das Dioceses do Centro

Este é o texto que servio de apoio à minha apesentação


O que é a catequese
A catequese é uma acção ecclesial, é a Igreja no seu todo que faz a catequese, cumprindo a sua missão de ser continuadora da missão de Jesus Cristo: levar a Boa Nova a todos os povos. A Igreja, animada pelo Espírito Santo, conserva no seu coração, anuncia, celebra, vive e transmite o Evangelho através da catequese (Cf DV 8).
A comunidade eclesial é a origem porque o catequista não actua em nome próprio, mas em nome da comunidade cristã e, por isso, em nome de toda a Igreja(Cf EN 60). O catequista pode e deve dizer como São Paulo: “Transmiti-vos, em primeiro lugar, o que eu próprio recebi” (1Cr 15,3). Este anúncio não pode prescindir da família, do ambiente em que o catequizando vive. Quando falamos em família – como principal transmissora da fé – referimo-nos à família cristã que “tem uma função primária, porque nela se pode realizar o anúncio da fé num clima de acolhimento e de amor, que, melhor do que qualquer outro, confirma a autenticidade da Palavra” (DGC 188). Contudo é preciso ter em conta que muitas famílias não são cristãs, no sentido de que são incapazes de transmitir a fé, por variadíssimas razões. Aqui, o catequizando há-de ser acolhido por uma comunidade cristã, onde encontre um clima fraterno e acolhedor, que lhe faça ver a alegria de ser cristão, capaz de lhe suscitar o desejo de seguir Jesus Cristo. O grupo de catequese, como grupo primário, é uma boa porta de entrada na família paroquial.
A comunidade é o âmbito ou lugar normal da catequese. É como o seio materno onde se gera o homem novo, por meio da Palavra e dos Sacramentos de Iniciação cristã. O testemunho da comunidade é fundamental: a catequese transmite com mais facilidade aquelas realidades e vivências que realmente existem na comunidade.
A meta da catequese é também a comunidade, pois é esta que acolhe os que são iniciados na fé. A catequese correria o risco de se esterilizar se não houvesse uma comunidade viva que acolhesse cada catequizando. Por isso, a comunidade é duplamente responsável: tem a responsabilidade de catequizar cada um dos seus membros; e também de os acolher, de modo a que possam viver o mais plenamente unidos Àquele a quem aderiram (Cf CT 24). Por último, é a catequese que renova a comunidade, pois através da Iniciação cristã a Igreja gera filhos no Filho e conduz à maturidade da fé tanto das comunidades como de cada fiel (Cf DGC 21).
Depois do acima dito torna-se claro que a catequese, se quer cumprir os seus objectivos, tem de introduzir o catequizando na vida da comunidade, fazendo dela a sua comunidade de referência.

Finalidade da catequese
O objectivo da catequese é levar cada catequizando não só a um contacto, mas a uma comunhão e intimidade com Jesus Cristo(Cf CT 5). Pela sua própria natureza, “a comunhão com Jesus Cristo impulsiona o discípulo a unir-se a tudo aquilo a que o mesmo Jesus Cristo se sentiu profundamente unido: a Deus seu Pai, que o enviara ao mundo; ao Espírito Santo, que lhe dava força para a missão; à Igreja, Seu corpo, pela qual Se entregou; e a toda a humanidade, Seus irmãos e irmãs, de cuja sorte quis partilhar” (DGC 81).
A comunidade, família de famílias, tem um lugar de destaque, pois são precisas comunidades que mostrem a fé em que acreditam e acolham aqueles que querem aderir a Cristo. A vida litúrgica e de comunhão, o testemunho alegre e o acolhimento caloroso, são expressões de comunidades missionárias que convocam à fé e geram espaços de acolhimento para aqueles que querem aderir ao Reino de Deus.

Tarefas da Catequese
Para que a pessoa se realize precisa de encontrar um horizonte de sentido. Trata-se de descobrir a dimensão mais profunda da pessoa, aí onde se descobre como que uma abertura ao infinito. Dizer que a pessoa sai de si, é dizer que a pessoa é um ser de relações: ser que se questiona; que reflecte; e que procura a sua origem e o seu fim, para se realizar como pessoa. Nós, crentes, sabemos que só em Cristo se pode encontrar a realização plena.
Para conseguir este objectivo, a catequese deve seguir o modo como Jesus formava os seus discípulos, realizando estas tarefas fundamentais: conhecer as dimensões do Reino, ensinar a orar, transmitir atitudes evangélicas e iniciar à missão (Cf DGC 82-87).
A catequese é responsável por educar nas diversas dimensões da fé: a fé professada; a fé celebrada; a fé vivida; e a fé rezada, tudo inserido numa comunidade e com sentido missionário. Neste processo de educação da fé há intervenientes que têm um lugar de destaque. São eles a família e a comunidade cristã.
O conhecimento da fé: a catequese deve conduzir à apreensão de toda a verdade do desígnio salvífico de Cristo. A compreensão da Sagrada Escritura, do Credo e demais documentos da fé da Igreja expressa e realiza esta tarefa.
A educação litúrgica: a comunhão com Jesus Cristo leva à celebração da Sua presença nos sacramentos, pelo que a catequese “além de favorecer o conhecimentos do significado da liturgia e dos sacramentos, deve educar os discípulos de Jesus Cristo ‘para a oração, para a gratidão, para a penitência, para as preces confiantes, para o sentido comunitário, para a percepção justa do significado dos símbolos…’, uma vez que tudo é necessário, para que exista uma verdadeira vida litúrgica”(DGC 85).
A formação moral: A conversão a Jesus Cristo tem como consequência que o discípulo siga o caminho do Mestre. A catequese deve favorecer uma educação que propicie ao catequizando atitudes próprias do cristão, que lhe transmita a vida em Cristo, concretizada em atitudes e opções morais.
Ensinar a rezar: A comunhão com Jesus Cristo leva a que os seus discípulos assumam o carácter orante e contemplativo do Mestre, conseguindo, deste modo, que a vida cristã seja vivida em profundidade. Aprender de Jesus a sua atitude orante “é rezar com os mesmos sentimentos com os quais Ele se dirigia ao Pai: a adoração, o louvor, o agradecimento, a confiança filial, a súplica e a contemplação da Sua glória”(DGC 85).
Educar para a vida comunitária: A educação para a vida comunitária implica que o catequizando tenha condições para se ir envolvendo de uma forma progressiva na vida da comunidade, assumindo responsabilidades e comprometendo-se com esta. Para isso, a catequese deve fomentar atitudes próprias (Cf DGC 86).
A iniciação para a missão: Só se adquire a maturidade da fé quando se tem capacidade e necessidade de testemunhar essa mesma fé, nas diversas circunstâncias da vida. A catequese, ao educar para o sentido missionário, capacita os discípulos para a sua missão na sociedade, na vida profissional, cultural e social.



Primeira fase

O objectivo da catequese é a iniciação à vida cristã, aprendida, celebrada e praticada, sempre com referência a uma comunidade de fé, que celebra a presença e acção de Deus nos sacramentos, sobretudo na Eucaristia, vértice e fonte da vida cristã. Assim, a catequese insere-se num processo global de Iniciação Cristã;
Considera-se que o cristão está plenamente iniciado na vida eclesial (maturidade da vida cristã e conhecimento doutrinal), quando receber os três Sacramentos da Iniciação Cristã (Baptismo, Eucaristia e Confirmação).
A catequese da infância apresenta condições muito favoráveis à introdução das pessoas na fé cristã e na vida da Igreja. As crianças que começam a frequentar a catequese paroquial participam, muitas pela primeira vez, na vida e na acção da Igreja.
O 1º, o 2º e o 3º ano do itinerário catequético visam o despertar religioso, a iniciação à fé cristã da criança, o iniciar da sua adesão a Jesus Cristo, a sua inserção e acolhimento na comunidade e a celebração de alguns sacramentos: o Baptismo (para quem ainda não tem) e Reconciliação e a Eucaristia, para os já Baptizados.

Objectivos da primeira fase:
- Aderir a Cristo pelo conhecimento e a vivência do Mistério Cristão.
- Inserir-se gradualmente na vida litúrgica da Igreja: oração, descoberta do Baptismo, preparação para a celebração da Eucaristia e da Reconciliação
- Desenvolver atitudes de fé como resposta ao amor de Deus
- Aprender a ser cristão ou discípulo de Jesus e integração progressiva na comunidade cristã.


A primeira fase constitui a etapa da “Iniciação ao itinerário catequético”. É um tempo de acolhimento, por parte da comunidade cristã e especialmente do catequista, e de apresentação global e simples do mistério cristão em ordem à inserção na vida da Igreja.

● No primeiro ano as crianças vão descobrindo na amizade do catequista e no carinho da comunidade cristã, os sinais mais visíveis de que Jesus também gosta muito delas. Vão tomando consciência de que pertencem a uma família maior do que a sua: a Família de Deus.
Com o primeiro Catecismo - “Jesus Gosta de mim”- inicia-se a criança na experiência de se saber e sentir amada por Jesus. Espera-se que a esta descoberta a criança responda, como que naturalmente, com simpatia, alegria e gratidão. Aqui, já será capaz de viver com Jesus uma amizade feliz.
No centro da catequese do 1º Ano está Jesus, como Amigo, Jesus com a Sua Mãe, que também é nossa Mãe, Jesus que nos faz confidência das palavras de Deus e nos ensina a rezar ou a conversar com Ele, tratando-O filialmente como Pai. As crianças irão conhecer amigos de Jesus, os seus discípulos. Será revelado às crianças o rosto de Jesus tão Amigo. Irão ter consciência que ao serem baptizados, são introduzidos na família de Deus.

1º Ano: “Jesus gosta de mim” (objectivos)
- Fazer a experiência de um bom acolhimento eclesial, proporcionado pelos catequistas e por toda a comunidade cristã.
-Ajudá-las a conhecer, de modo vivencial e de acordo com as suas capacidades, alguns dos principais mistérios da fé cristã: Deus, Criador e Amigo que cuida de nós: Jesus, na sua relação única com o Pai e o Espírito Santo; a Igreja, família de Deus.
-Motivá-las para a adesão a Jesus e a celebração da fé na comunidade cristã, levando-as a participar na sua vida litúrgica e experiência de oração.
-Ajudá-las a assumir atitudes de louvor, de gratidão e de amor a Deus e aos irmãos.

● Durante o primeiro ano as crianças foram sendo iniciadas na vida dos cristãos, isto é, dos membros da “família de Deus”, da comunidade eclesial. Durante o segundo ano irão alargar e aprofundar o conhecimento de Jesus e a relação com Ele. À certeza da presença amiga de Jesus seguir-se-á, como que naturalmente e por consequência, a proposta pessoal: estar com Jesus.
O centro da catequese deste ano é, de novo, Jesus. Na Sua vida e nas suas obras, é Jesus que se manifesta como verdadeiro homem e verdadeiro Deus, isto é, como o Filho de Deus feito homem e, por isso, o Emanuel ou “Deus connosco”.
As crianças serão levadas a redescobrir e a celebrar, em comunidade, que Jesus Cristo, está vivo e vive connosco, o Espírito Santo, na acção de fazer de nós Filhos de Deus, irmãos em Cristo, e membros da Igreja, principalmente pelo Baptismo.

2º Ano: “Ensina-nos a rezar” (objectivos)
- Proporcionar às crianças, um maior conhecimento de Jesus, como Filho de Deus, em ordem a um encontro mais pessoal e íntimo com Ele.
- Levá-las a descobrir que o Pai de Jesus é também nosso Pai e que, por isso, em união com Jesus somos todos irmãos.
- Aprofundar a sua adesão a Jesus e a sua experiência de fé na comunidade cristã a que pertence, continuando a integrá-las na vida litúrgica e de oração.
- Ajudá-las a assumir atitudes de escuta, obediência, respeito, verdade e amor a Deus e aos irmãos.


● No terceiro ano, a primeira apresentação de Jesus vai ser alargada, através da escuta mais frequente e abundante da Palavra de Deus, na Sagrada Escritura do Antigo e do Novo Testamento. Irá ser aprofundada a resposta a Ele, dada através do desenvolvimento do gosto e da alegria em O seguir, em estar com Ele, isto é, em ser discípulo de Jesus e viver a Sua Vida, participando activamente, segundo a sua capacidade, na vida da Igreja.
As crianças atingirão três objectivos essenciais: ser discípulo de Jesus na Igreja, celebrar a presença salvadora de Jesus nos sacramentos e comprometer-se a dar testemunho de Cristo e a construir o Reino de Deus, tornando o mundo melhor segundo o Seu projecto de salvação de todos. Terão consciência que ser discípulo de Jesus é seguir Jesus na Igreja, a comunidade dos discípulos de Jesus, os baptizados. Ser discípulo de Jesus é reconhcê-lO na vida e nas acções da Igreja e celebrar a sua presença no meio de nós, através da participação activa, consciente e frutuosa dos Sacramentos da Sua graça. As crianças irão redescobrir o sentido e a força dos sacramentos da Iniciação Cristã, isto é, do Baptismo, da Confirmação e da Eucaristia; irão também continuar a aprofundar os sacramentos da «vida quotidiana», ou sejam, o da Eucaristia, como Comunhão, e o da Penitência ou do Perdão; e, a pouco e pouco, tomarão o primeiro contacto com os restantes sacramentos.



3º Ano: “Queremos seguir-Te” (objectivos)
- Experimentar e descobrir que o seguimento de Jesus implica ser Cristão em Igreja.
- Aprofundar o mistério cristão já iniciado na fase anterior.
- Descobrir e viver os sacramentos como sinais da presença do Ressuscitado no meio de nós.

A aplicação está aqui.