sábado, 8 de novembro de 2008

Cristão Adulto - VIII


Novos movimentos eclesiais

Uma das características de um cristão adulto é a sua capacidade de se relacionar com os «novos movimentos eclesiais», de os respeitar e considerar, ou então de fazer parte de um deles, recebendo daí o acompanhamento necessário para ser um cristão maduro.
Estes movimentos chamam-se ‘novos’ para diferenciá-los de qualquer outra forma de associação laical e denominam-se ‘movimentos’, porque são uma expressão profunda do movimento eclesial, da Igreja movimento, mais do que uma actividade. São ‘eclesiais’ porque podem pertencer a eles cristãos provenientes das três vocações: leigos, consagrados e ordenados. Se bem que na sua grande maioria estão compostos por cristão leigos.

Identidade dos novos movimentos eclesiais
Estes movimentos são considerados como verdadeiros carismas do Espírito para o tempo presente. Têm a característica de estarem dotados de uma certa imprevisibilidade, mutabilidade, assombro, profunda novidade, gratuidade e liberdade. Não podia ser de outra forma, ao serem expressão da acção do Espírito Santo na Igreja.
Cada crente, ao contactar com esta realidade, procurará que se verifiquem, com qualidade e coerência, as seguintes características:
- Que sejam realidades eclesiais novas, preferentemente laicais, diferentes das precedentes ou contemporâneas associações laicais;
- De origem carismática, pois pertencem à vida e dinamismo da Igreja, não à sua estrutura ou dimensão institucional. Não vêm dadas, surgem inesperadamente conforme a liberdade e a imprevisibilidade do Espírito Santo;
- Com um forte impulso missionário numa sociedade secularizada. Têm como tarefa principal a missão no mundo, no qual se situam como testemunhas daqueles valores cristãos que o vendaval secularista arrasou;
- Nascidas em torno de um fundador, que é caminho para Cristo, embora tenha forte personalidade carismática, que exerce uma forte atracção, testemunha privilegiado da fé, com uma oferta atraente e significativa, porque pessoa do Espírito;
- Com uma doutrina, espiritualidade e metodologias próprias, inseridas dentro do grande tesouro que é a Igreja, mas concretizadas e com um toque especial e específico;
- Vivem o acontecimento cristão de modo excepcional. A grande novidade destes movimentos está na recuperação daquelas formas de ser cristão que foram esquecidas pela grande massa de cristãos. Tratam de encarnar na vida a Jesus Cristo, o Senhor, e de testemunhá-Lo desde essa experiência vital;
- Que viva no aqui e agora da Igreja. O rasgo mais característico destes movimentos é que vivem muito encarnados no tempo presente, com uma forte comunhão teológica, afectiva e efectiva com os Pastores, de modo especial com o Papa;
- Empenhados numa nova evangelização. O estar decididos a desempenhar tarefas de nova evangelização deriva do seu encontro existencial com o acontecimento Jesus Cristo, em comunhão com a Igreja.

Dito de outro modo, os novos movimentos são realidades eclesiais, preferentemente laicais, de origem carismática, e com um forte impulso missionário, no seio de uma sociedade secularizada. Nasceram de um fundador com grande personalidade carismática e têm espiritualidade e metodologias específicas. No seu agir, vivem de maneira excepcional o acontecimento originante: Jesus Cristo, empenhados, em Igreja, em anunciá-Lo aqui e agora.

Multiplicidade na Unidade
Perante este fenómeno dos novos movimentos eclesiais e da sua fecunda proliferação pela Igreja universal, podemos afirmar, com João Paulo II, que só é admissível aquela pluralidade que constitui «um hino à unidade».
Este princípio de unidade, que se deve sempre salvaguardar, e que deriva da comunhão na mesma fé, esperança e caridade, obedientes a Cristo e aos Pastores da Igreja; ou seja, pela comunhão no ser e no fazer da Igreja. Está é, indubitavelmente, a melhor chave de classificação dos movimentos e da maturidade dos seus membros.

Sem comentários:

Enviar um comentário