quinta-feira, 5 de junho de 2008

Uma metáfora pastoral!!


Chamam-lhe o "Manso" e é uma lenda entre os pescadores de Sesimbra. Pescava tanto que se dizia que fazia nascer peixe no mar. O seu barco, o Luís Adrião, que está hoje no fundo do mar, depois de um naufrágio que matou o seu novo proprietário, trazia as redes sempre cheias. Nunca ninguém soube como o velho "Manso" conseguia aquilo. Era um mistério numa comunidade piscatória sazonalmente invadida por ondas de miséria. Mas eu falei com Teodoro "Manso", na altura já com 70 anos, e ele contou-me tudo.

O segredo do "Manso" é que ele "vivia com o peixe". Ele próprio mo explicou. "Sonhava com o peixe." Conhecia as várias espécies como se fossem da sua família. Os hábitos, as manhas, a inteligência de cada uma.

"Os peixes deslocam-se no mar como os pássaros no céu, em fila", dizia ele. "Basta olhar o céu para saber o que se passa no fundo do mar." Os peixes, continuava, "são como as pessoas. Têm as suas manias. Se os conhecermos, se vivermos com eles, temos mais hipóteses de os apanhar".

Há peixes pouco inteligentes, que são traídos pela Lua. "Têm medo da luz, e vão para a fundura. Se estiver escuro, pensam que ninguém os vê." Nestes casos, a Lua indica a direcção em que se deslocam os cardumes. Mas mesmo os peixes mais inteligentes, como por exemplo o sargo, têm as suas fraquezas. "O sargo vê um anzol e não vai lá porque sabe que está ali um pescador. E se apanharmos um, temos de lavar as mãos ao pôr o isco de novo, ou não apanhamos mais nenhum. Eles sentem o cheiro, e sabem. Os sargos andam sempre junto à costa. Dizemos que eles gostam de ver passar os automóveis. Aí, são muito difíceis de apanhar. Escondem-se nos rochedos. Uma vez dei com um com a cabeça de fora, a olhar para mim, como quem diz: queres apanhar-me? Pois anda cá, a ver se eu deixo."

Em certas alturas, porém, os sargos são de uma inexplicável imprudência. Após a desova, deslocam-se em cardume e deixam-se apanhar com facilidade. "As mulheres quando engravidam também têm desejos extravagantes. Apetece-lhes comer carvão e coisas assim. Com o peixe é a mesma coisa. Deixam os filhos e pensam: vocês já estão aí, a gente agora vai dar uma volta. Não sei se é loucura do peixe..."

As sardinhas também têm hábitos muito humanos. É a sua maior fragilidade. "A sardinha vai às zonas com rochas, para se alimentar, passar a noite, como nós vamos ao café. Depois volta para a profundidade, poque se acha insegura ali. A sardinha é um peixe friorento. No Inverno, vai para o fundo, onde as águas são mais quentes." E é aí, meio enterradas na areia, que dormem. Mas deitam-se tarde. "Sabe, quando vamos com os amigos, à noite, beber uns canecos... Já não nos víamos há tanto tempo e tal... Chega aí uma altura, lá para as cinco, seis da manhã, em que dá uma dormência... A gente tem de se encostar um bocado... Pois com a sardinha é a mesma coisa." É a hora certa para as apanhar. Vai-se com cuidado e lançam-se as redes quando elas acordam, estremunhadas. Não falha. Eram grandes pescarias. "Eu encostava o ouvido ao fundo do bote e até as ouvia ressonar", jurou-me o "Manso".

[Paulo Moura, "Viver com os peixes". Público. P2, 30.05.2008, 3]

Sem comentários:

Enviar um comentário