domingo, 30 de outubro de 2005

Preciso Gritar!!!! Se...

Se não perderes a cabeça quando todos à tua volta
A perderem e te culpam por isso;
Se mantiveres a confiança quando todos de ti duvidam,
Sendo porém tolerante para com a sua desconfiança;
Se puderes esperar sem que a espera te fadigue,
E rodeado de falsidade não enveredares também pela mentira,
Ou sendo odiado não cederes ao ódio,
E contudo não pareceres demasiado bom ou sabedor;


Se conseguires sonhar - e não ser dominado pelos sonhos;
Se souberes pensar - sem que pensar seja o teu objecto,
Se conseguires lidares com o Triunfo e o Desastre
E tratar esses dois impostores por igual;
Se puderes suportar ver a verdade que falaste
Distorcida por patifes e feita embuste para tolos,
Ou ver por terra aquilo a que dedicaste a vida
E inclinares-te para o reerguer com ferramentas já gastas;

Se fores capaz de reunir todos os teus ganhos
E arrisca-los de uma só vez, cara ou coroa,
E perdendo, começares tudo de novo
Sem uma palavra sobre as tuas perdas;
Se conseguires forçar o teu coração, os teus músculos e fibras
A subsistir muito para além dos limites
E assim resistir quando já não resta
Senão a Vontade que lhes comanda: 'Resisti!'

Se souberes falar com a turba sem abdicar da rectidão
E no convívio dos reis não perderes a simplicidade,
Se nem adversários nem amigos queridos te puderem magoar,
Se todos os homens contarem para ti, mas nenhum demasiado;
Se puderes preencher o minuto inexorável
Com sessenta segundos de corrida de fundo,
Tua será e Terra e tudo o que nela há,
E, mais que isso, meu filho, serás um homem!
Suzanne Chazin
Image hosted by Photobucket.com
(c) 2005 - José Andrade

terça-feira, 25 de outubro de 2005

Deus existe?!?

Um homem foi ao barbeiro para cortar o cabelo como ele sempre fazia.
Ele começou a conversar com o barbeiro e conversaram sobre vários assuntos.
Conversa vai, conversa vem e começaram a falar sobre Deus... O barbeiro disse:
- Eu não acredito que Deus exista como você diz.
- Por que você diz isto? - o cliente perguntou.
- Bem, é muito simples. Você só precisa sair na rua para ver que Deus não existe.
Se Deus existisse, você acha que existiriam tantas pessoas doentes?
Existiriam crianças abandonadas? Se Deus existisse, não haveria dor ou sofrimento.
Eu não consigo imaginar um Deus que permite todas essas coisas.
O cliente pensou por um momento, mas ele não quis dar uma resposta para prevenir uma discussão. O barbeiro terminou o trabalho e o cliente saiu.
Neste momento, ele viu um homem na rua com barba e cabelos longos.
Parecia que já fazia um bom tempo que ele não cortava o cabelo ou fazia a barba e ele parecia sujo e arrepiado.
Então o cliente voltou para a barbearia e disse ao barbeiro:
- Sabe de uma coisa? Barbeiros não existem.
- Como assim eles não existem? - perguntou o barbeiro.
- Eu estou aqui e eu sou um barbeiro.
- Não! - o cliente exclamou - Eles não existem, porque se eles existissem não existiriam pessoas com barba e cabelos longos como aquele homem que está andando ali na rua.
- Ah, mas barbeiros existem, o que acontece é que as pessoas não me procuram, e isso é uma opção delas.
- Exactamente! - afirmou o cliente.
- É justamente isso, Deus existe, o que acontece é que as pessoas não o procuram, pois é uma opção delas, e é por isso que há tanta dor e sofrimento no mundo.
Texto enviado pela mana Emília Almeida ;-)

Image hosted by Photobucket.com
(c) 2005-RicardoTavares

Atelier 8 - Festa da Profissão de Fé, nas Jornadas Nacionais de Catequese

Partilho aqui as conclusões do atelier sobre a Festa da Profissão de Fé, sublinhando a tristeza de estas não terem sido partilhadas pelo SNEC, lá em Fátima.


Num grupo composto por 56 pessoas de 14 dioceses de diversos pontos do país, começou por se fazer uma apresentação individual, momento em que se aproveitou para, também, se proceder à divisão em grupos. Para tal foi utilizada a técnica dos balões: dentro de uma caixa foram colocados balões de cinco cores diferentes; cada pessoa tirou, aleatoriamente, um balão; os grupos foram, então, organizados em função da cor que coube a cada pessoa.
Terminada esta tarefa inicial, o Pe. Luís Miguel fez uma reflexão sobre a Festa da Profissão de Fé, que serviu de ponto de partida para os trabalhos de grupo. Para este trabalho foram colocadas duas questões:

1. como se tem vivido esta festa nas paróquias?
2. como podemos melhorar a vivência desta celebração?

De seguida, vamos tentar sintetizar as conclusões a que os grupos chegaram, relativamente a estas duas perguntas.
No que respeita à primeira questão, foi salientado o facto de, nem sempre, esta ser mais uma etapa da caminhada catequética, mas antes um terminar da caminhada na fé. Quase todos os grupos manifestaram a sua preocupação por verem os pais arredados do percurso espiritual dos seus filhos, mesmo em momentos mais marcantes como são as celebrações, nomeadamente a da Profissão de Fé. Salienta-se, por outro lado, a consciência de que a Profissão de Fé, sendo uma renovação das promessas baptismais, deve ser vivida em comunidade, e é interessante referir que, na maioria das paróquias, esta festa se realiza por alturas do Pentecostes. Para que esta seja mais uma etapa e não um fim no percurso das crianças, há comunidades paroquiais que incentivam os elementos destes grupos de catequese a participar nas suas actividades comunitárias, tentando, deste modo, criar um sentido de compromisso com a comunidade e de amadurecimento na fé que, em muitos casos, estes pré-adolescentes ainda não demonstram.
Como propostas para melhorar esta Festa, salientam-se as relacionadas com a formação e empenhamento dos pais, na catequese e na vida comunitária e a integração dos adolescentes nas celebrações, realçando o compromisso que estes se preparam para assumir com a comunidade paroquial, nomeadamente através da promoção de retiros com os catequizandos, ou mesmo de organização de catequeses multigeracionais. No entanto, houve também quem chamasse a atenção para a necessidade de melhorar os catecismos desta fase.

Resumo elaborado pela Rosário do ;-)

segunda-feira, 24 de outubro de 2005

Eucaristia: Pão que mata a fome de plenitude!

O ser humano é um ser carencial (M. Zambrano), que tem que resolver diversas necessidades, inclusivamente espirituais, sempre tendendo para a plenitude. Toda busca se centra na grande procura, na procura do sentido, que se concretiza nestas perguntas: quem sou?; de onde venho?; para onde vou?; Para quê tudo isto?...
É que, às vezes, pode chegar-se conclusão de que:

«Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto,
E hoje, quando me sinto,
É com saudades de mim(...).

Não sinto o espaço que encerro
Nem as linhas que projecto:
Se me olho a um espelho, erro -
Não me acho no que projecto».
(Mário de Sá-Carneiro)

É neste contexto, que eu observo cada dia pelas ruas da Cidade, que percebo cada vez melhor o Deus que se nos dá em alimento como pão: o Pão da Vida.
Cristo vê-nos com fome sede, conhece-nos, sabe que temos fome e sede de felicidade, de paz, de vida e de amor. Fome de autenticidade, de verdade e de integridade pessoal.
Porque Cristo é a Vida, e vida em abundância, nEle alimentamo-nos de verdade, de vida, de felicidade, de paz.
Na Eucaristia encontramos, de facto, a Vida que nos permite ter vida em abundância e vivificar os ambientes em que nos inserimos, nos quais fazemos caminho e onde experimentamos a salvação de Deus.