terça-feira, 7 de junho de 2005

O Catequista

A década de 90 viu nascer dois instrumentos valiosos no âmbito catequético: o Catecismo da Igreja Católica(1992) e o Directório Geral da Catequese(1997). Nestes, podemos encontrar o resultado de toda a riqueza que o Concílio Ecuménico Vaticano II fez emergir na Igreja.
Mesmo a forma como o Catecismo foi acolhido mostra como, na Igreja, há tensões que nada ajudam à transmissão da fé. Há até a veleidade de, pela forma como se olha o Catecismo, pretender catalogar a que grupo de cristãos se pertence. É pena! Ou não somos todos de Cristo?!?
O Directório, por sua vez, ao consagrar uma catequese de estilo catecumenal, e ao pôr no devido destaque a Iniciação Cristã, coloca a descoberto um grande problema: faltam comunidades capazes de acolher, acompanhar e iniciar na fé.
Mas eu vejo o futuro com esperança. Sei onde pode estar a solução: nos catequistas, expressão da preocupação missionária de uma comunidade que, podendo não o ser, se quer capaz de iniciar na fé aqueles que mostram interesse em fazer um caminho de incorporação no Corpo Místico de Cristo.
Image hosted by Photobucket.com
O Catequista é «chamado a ensinar Cristo deve, portanto, antes de mais nada, procurar esse lucro sobreeminente que é o conhecimento de Jesus Cristo. Tem de aceitar perder tudo (...) para ganhar a Cristo e encontrar-se nEle e conhecê-Lo, a Ele, na força da sua ressurreição e na comunhão com os sofrimentos, conformar-se com Ele na morte, na esperança de chegar a ressuscitar dos mortos»(CCE 428).
É deste despojamento que há-de surgir a Catequese.

Sem comentários:

Enviar um comentário