quinta-feira, 30 de junho de 2005

Catequese e Comunidade


Na próxima terça-feira, 5 de Julho, reúnem-se em Bragança os responsáveis pelos Serviços Diocesanos de Catequese, das Dioceses do Norte de Portugal.
O responsável,
P.e Manuel Queirós da Costa, da Diocese de Vila Real, enviou o texto que se segue para reflexão e posterior debate.
Partilho-o com todos os interessados. Se quiserem enviar algum comentário, estejam à vontade.



1. Ao proclamar o Evangelho, Jesus Cristo partilha a sua missão com a comunidade dos discípulos: os doze (Mt 10,1) o grupo mais alargado que segue Jesus (Mt 8,22), os setenta e dois (Lc 10,1), as mulheres que O acompanham (Lc 8,1-3).

2. A Igreja nascente recebe do Senhor Ressuscitado a missão de fazer discípulos de todas as nações (Mt 28,19-20;DGC 34). O processo de evangelização, pelo qual se transmite a fé, inclui etapas distintas: o primeiro anúncio do Evangelho (sementeira da Palavra) cumpre-se de forma básica e fundamental na catequese (crescimento e maturação que produz fruto). Existe uma relação tão profunda entre evangelização e catequese que se pode comparar ao grão e à espiga (ver Mc 4,1-20). A catequese, para baptizados ou para quem se prepara para receber o baptismo, implica uma entrega viva do Evangelho e de todo o Evangelho aos homens (DGC 78,105 e 111).

3. O texto bíblico mais citado pelo Concílio Vaticano II é Act 2, 42-47 que recolhe a experiência da primeira comunidade cristã. O concílio refere-se a este texto quando se pronuncia sobre o que deve ser a Igreja (LG 13;DV 10), a vida do sacerdote (PO 17 y 21), do missionário (AG 25) e a vida religiosa (PC 15). O Concilio foi aliás convocado para devolver ao rosto da Igreja de Cristo todo o seu esplendor, revelando as características mais puras e mais simples da sua origem (João XXIII, Discurso preparatório, 13-11-1960).

4. As primeiras comunidades são constituídas por grupos de homens e mulheres que se reúnem no dia do Senhor (Ap 1,7). Entre todos estabelece-se una relação de fraternidade. Deste modo, o mistério de comunhão que constitui a Igreja (ver LG 1) torna-se visível também aos olhos dos não crentes, que dizem: «Vede como eles se amam! São como que uma grande família». A Igreja não é exército (relação de comando: superior - subordinado) não é escola (relação de ensino: mestre - discípulo) mas é comunidade (relação de fraternidade).

5. O fundamento dessa comunhão, o que verdadeiramente aglutina a nova família dos discípulos, é a Palavra de Deus: «Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática» (Lc 8,21). Quem acolhe a Palavra, vincula-se à comunidade.

6. Nas primeiras comunidades, a Palavra de Deus faz-se experiência de Cristo (Act 2,36) e experiência de conversão (2,38). A comunidade é lugar de perdão e da acção do Espírito (Act 2,38). É lugar de ensino, de comunhão, de celebração e de oração (2,38.42). Na comunidade há sinais (2,45), que confirmam a Palavra anunciada. A comunhão de corações traduz-se numa efectiva comunicação de bens (2,44 e 4,32). A comunidade acolhe e incorpora os novos membros (2,47).

7. As primeiras comunidades são minoria dentro da sociedade, encontram-se em situação política e religiosa adversa. Porém, são como uma cidade levantada no alto de um monte (Mt 5,14), como levedura na massa (Lc 13,21). Dá-se nelas um forte processo de evangelização quer de adultos, quer de crianças. A catequese faz-se por imersão na vida da comunidade (Act 2,46; ver 12, 12; 1 Cor 16,19; Flm 2; Col 4,15).

8. Sendo comunidade, a Igreja é luz das gentes (LG 1), sinal levantado no meio das nações (SC 2), sacramento universal de salvação (GS 45). Não é o indivíduo mas sim a comunidade que pode evangelizar. Não é o indivíduo mas sim a comunidade que renova profundamente a Igreja. A comunidade é o grande sinal do Evangelho oferecido à humanidade.

9. No Sínodo de 1977 a comunidade eclesial viva é considerada como o lugar principal de catequização: «Como para a evangelização também a catequese, são da maior importância as comunidades eclesiais de base. De facto, dentro delas, sentem-se os cristãos Igreja, de modo pessoal, contagiam-se na experiência da fé e educam-se no amor fraterno» (Prop. 29) No nosso tempo, é preciso refazer o tecido comunitário da Igreja. Sem tecido comunitário, vê-se o esqueleto à Igreja e, em vez de atrair, espanta (ver Ez 37,11). O Sínodo da catequese foi crítico com a situação actual da paróquia, necessitada de profunda renovação: De facto, muitas paróquias, por diversas razões, estão longe de constituir uma verdadeira comunidade cristã. No entanto, a via ideal para renovar esta dimensão comunitária da paróquia poderá passar por fazer dela uma comunidade de pequenas comunidades (Prop. 29;ChL 26, 34; DGC 258).

10. A comunidade é a origem, o lugar e a meta da catequese (DGC 254). Em primeiro lugar, é a origem. O catequista não actua em seu próprio nome mas em nome da comunidade cristã e, portanto, em nome da Igreja (local e universal): Quando o mais humilde catequista...reúne a sua pequena comunidade, mesmo sozinho, exerce um acto de Igreja (EN 60; DGC 253,254,261,263 e 264). Mais, o catequista está entroncado numa tradição viva, que remonta aos apóstolos. Pode dizer como Paulo: Transmiti-vos o que eu mesmo recebi (1 Cor 15,3).

11. A comunidade é o lugar ou âmbito normal da catequese (MPD 13). É como o seio materno onde se faz a gestação do homem novo por meio da Palavra de Deus viva e permanente (I Pe 1, 23). É a piscina de Siloé na qual o cego de nascença cura sua cegueira original (Jo 9,7). O testemunho da comunidade é fundamental.


12. A comunidade é a meta da catequese: «A catequese corre o risco de se esterilizar, se uma comunidade de fé e vida cristã não acolher o catecúmeno a certo passo da sua catequização. É por isto que a comunidade eclesial, a todos os níveis, é duplamente responsável em relação à catequese: antes de mais, tem a responsabilidade de prover à formação dos próprios membros; depois, também a de os acolher num meio ambiente em que possam viver o mais plenamente possível aquilo que aprenderam» (CT 24). A catequese cria comunidade (se não existe) e renova-a (se já existe). Enfim, a catequese conduz à maturidade da fé da comunidade e de cada fiel.


Algumas questões para o debate:

- O que é uma comunidade cristã? Quais as suas características principais?
- Que importância tem para a iniciação cristã?
- Qual o seu papel na transmissão da fé?
- Que desafios se colocam hoje à catequese?
- Os catequistas vivem a experiência comunitária que desejam transmitir?

Uma pedagogia para a Iniciação Cristã - Conclusão

Concluo dizendo que convém ter presente que a catequese de iniciação tem uns objectivos que, para além da socialização religiosa, contempla o desenvolver a graça baptismal, através da evangelização, realizando uma primeira síntese de fé pessoal, a personalização da fé, juntamente com a iniciação sacramental.
Os conteúdos são eminentemente educativos, com o objectivo de desenvolver aqueles recursos humanos que formam o substrato antropológico da vida de fé. Ter-se-á em conta a História Sagrada, apresentando a narração dos acontecimentos e as personagens de uma forma existencial e orante. Também se deve procurar apresentar Jesus Cristo, de forma inicial e sistemática, na totalidade do seu Mistério (Salvador e Redentor). Apresentar-se-á a Igreja e a vida eterna. A iniciação sacramental será também tida em conta, pelo que se apresentam os sacramentos da Igreja e se ensina a participar neles, apresenta-se também a liturgia, dando atenção ao rito, ao sinal, ao símbolo e à representação. Acima de tudo, tendo presente que a liturgia é o catecismo vivo, faz-se a relação entre o que se celebra e o que acredita.

quarta-feira, 29 de junho de 2005

Uma pedagogia para a Iniciação Cristã - V

Por último, na coordenada psico-pedagógica vamos ter presente que se trata de uma pedagogia integral e de uma pedagogia da fé.
A pedagogia precisa de ser integral, ou seja, que verse o saber (cognitivo-intelectual), o ser (afectividade, sentimentos e valores) e o fazer (comportamentos). Esta pedagogia precisa de ser equilibrada, na fidelidade ao homem e a Deus (lei da encarnação).
A pedagogia da fé é o modo de acompanhar o catequizando em ordem à profissão de fé, com os critérios próprios da fé. Para isso bebe da pedagogia de Deus e da pedagogia da Igreja. Daqui que não se pode ser mestre e pedagogo da fé dos outros se não se é discípulo convicto e fiel de Cristo na Sua Igreja(cf DGC 142).
Esta pedagogia deve ser considerada como o processo de amadurecimento e de crescimento na fé, desenvolvido de maneira gradual e por etapas; inspira-se, como fonte e modelo, na pedagogia de Deus manifestada em Cristo e na vida da Igreja, e conta com a acção do Espírito Santo na Comunidade e em cada cristão. A comunidade ajuda com o exemplo e a oração para que se dê o passo do homem velho para o homem novo, lutando contra o mal, com a ajuda da graça de Deus, em ordem a fazer a experiência alegre de ser salvo por Jesus Cristo.
A pedagogia catequética deve conseguir alcançar os três objectivos: instruir, transmitindo informação e conhecimentos seguros, transmitindo certezas e convicções; iniciar, levar cada catequizando a transformar-se no homem novo, realizando a conversão de toda a sua personalidade, a conversão do coração; por último deve também educar, ou seja, formar a pessoa e propondo-lhe novos comportamentos conformes à fé que aprende a professar.
Os objectivos, para além da socialização religiosa, são o desenvolver a graça baptismal, através da evangelização, realizando uma primeira síntese de fé, de forma pessoal, a personalização da fé, juntamente com a iniciação sacramental.
Os conteúdos são eminentemente educativos, com o objectivo de desenvolver aqueles recursos humanos que formam o substrato antropológico da vida de fé. Ter-se-á em conta a História Sagrada, apresentando a narração dos acontecimentos e as personagens de uma forma existencial e orante. Também se deve procurar apresentar Jesus Cristo, de forma inicial e sistemática, na totalidade do seu Mistério (Salvador e Redentor). Apresentar-se-á a Igreja e a vida eterna. A iniciação sacramental será também tida em conta, pelo que se apresentam os sacramentos da Igreja e se ensina a participar neles, apresenta-se também a liturgia, dando atenção ao rito, ao sinal, ao símbolo e à representação.
Acima de tudo, tendo presente que a liturgia é o catecismo vivo, faz-se a relação entre aquilo que se reza e aquilo em que se crê.

terça-feira, 28 de junho de 2005

Uma pedagogia para a Iniciação Cristã - IV

Chegou a vez da dimensão espiritual. Convém ter bem presente que a eficácia da catequese é e será sempre um dom Deus, mediante a acção do Espírito Santo, sem o qual não é possível fazer catequese ou qualquer outra acção evangelizadora, por muito elaborados que estejam os planos e por mais sofisticados que sejam os meios humanos e materiais. Sem Espírito nada se consegue, pois o Espírito Santo é o protagonista de toda a missão da Igreja(cf RM 21); é o mestre interior, principal catequista e princípio inspirador de todas as actividades catequéticas.

O Catequista
Convém recordar também o papel do catequista, que é elemento essencial da catequese, o catecismo vivo: enviado pela Igreja, numa comunidade concreta, realiza a sua vocação profética no seu grupo de catequese, onde anuncia, ilumina, persuade, testemunha, colabora com a função da comunidade cristã. Para que haja, pois, iniciação cristã é preciso um iniciador, chamado catequista, que é a alma da catequese. Aquele que é «chamado a ensinar Cristo deve, portanto, antes de mais nada, procurar esse lucro sobreeminente que é o conhecimento de Jesus Cristo. Tem de aceitar perder tudo (...) para ganhar a Cristo e encontrar-se nEle e conhecê-Lo, a Ele, na força da sua ressurreição e na comunhão com os sofrimentos, conformar-se com Ele na morte, na esperança de chegar a ressuscitar dos mortos»(CCE 428). O catequista é, então, uma pessoa de fé profunda, que conhece os mistérios de Deus e vive em plena comunhão com eles, emergido no amor de Deus. Vive-os em Igreja, por isso é dotado de uma clara identidade cristã e eclesial, pelo que nada do que é humano lhe é alheio, logo possui uma profunda sensibilidade social(cf DGC 237). O catequista respeita e vive de «um princípio essencial da visão cristã da vida: o primado da graça»(NMI 38).
Image hosted by Photobucket.com
(c) 2003 - Pedro Nogueira

segunda-feira, 27 de junho de 2005

Uma pedagogia para a Iniciação Cristã - III

A coordenada catequética centra a sua atenção no específico da catequese que é o estar ao serviço da iniciação cristã, tendo presente que a fé é um dom de Deus. Esta iniciativa divina e primeira do Pai verifica-se nas palavras e gestos que Jesus Cristo ressuscitado realiza na Igreja, sua Esposa e nossa Mãe, que, sob a acção do Espírito Santo, guia e conduz aqueles que são chamados a entrar na comunhão de vida trinitária.
A Igreja, através da iniciação cristã, manifesta a sua identidade de mãe e, enquanto incorpora o homem a Cristo, incorpora-o no Corpo de Cristo; enquanto gera cristãos, edifica a Igreja, de modo que podemos afirmar que pela iniciação cristã a Igreja gera a Igreja.
A Igreja realiza esta missão através de duas funções pastorais intimamente relacionadas: a catequese e a liturgia. A catequese é um elemento imprescindível da iniciação cristã e está vinculada aos sacramentos de iniciação.
A catequese é, então, uma formação orgânica e sistemática na fé, mas mais que um mero ensino, pois é uma aprendizagem de toda a vida cristã, uma iniciação cristã integral. Ajuda o discípulo de Cristo a transformar o homem velho, assumindo os seus compromissos baptismais e a professar a fé a partir do coração. É ainda uma formação de base essencial, centrada no essencial da experiência cristã, nas certezas mais profundas da fé e nos valores evangélicos mais fundamentais. Habilita o catequizando a receber o sólido alimento posterior, na vida ordinária da comunidade eclesial, à qual também inicia. Ou seja, incorpora na comunidade que confessa, celebra, vive e ora a fé, e dela dá testemunho.
Este itinerário, todo ele eclesial, leva à incorporação efectiva e afectiva do catequizando no Mistério de Deus, e tem no catecumenado baptismal o seu modelo inpirador(cf DGC 90).
Desde os tempos apostólicos, o «tornar-se cristão» exige um caminho de iniciação, com diversas etapas, que pode ser percorrido rápida ou lentamente (cf CCE 1229). E uma vez que é um processo de conversão é essencialmente gradual e cristocêntrico, porque está ao serviço daquele que decidiu seguir Cristo, em ordem à personalização da fé, com a ajuda dos catequistas, que são os testemunhos e pontos de referência, que ajudam a integrar fé e vida, a criar identidade cristã.

Despertar Religioso
A preceder esta etapa catequética de iniciação cristã deve realizar-se o despertar religioso, no seio familiar, onde a criança recebeu os primeiros rudimentos da fé, as breves orações com as quais aprende a dialogar com Deus, desenvolveu os inícios da educação da consciência moral, entre outras. Esta educação cristã é mais testemunhal que instrutiva, mais ocasional que sistemática, não está estruturada em períodos, antes é permanente e quotidiana.

sexta-feira, 24 de junho de 2005

Uma pedagogia para a Iniciação Cristã - II

Na dimensão teológica destaca-se que a catequese é um acto de Revelação, de tradição viva, pelo que é inseparável a ortodoxia e a ortopraxis. A catequese tem de ser sempre uma iniciação ordenada e sistemática à revelação que Deus faz de si mesmo à humanidade(cf CT 22). Esta revelação encontra-se na Sagrada Escritura e na Sagrada Tradição(cf DV 8). A catequese, como um acto de transmissão da Revelação, deve acomodar-se ao modelo divino de se revelar, que o faz por obras e palavras intimamente unidas(cf DV 2), e tem o seu ponto culminante em Jesus Cristo. A Jesus Cristo, o homem de todos os tempos, pode aceder-se pela fé transmitida na Igreja, sob a acção do Espírito Santo, tal como a comunidade a recebeu, compreende, celebra, vive e a comunica (cf DGC 105).
De facto, o objectivo da catequese é proporcionar ao catequizando as condições necessárias para, sob a acção do Espírito Santo, chegar à a profissão de fé(cf DGC 66), íntegra e total. Para que isso seja possível, a catequese deve transmitir os sete elementos básicos: as três etapas da história da salvação (dimensão narrativa) e os quatro pilares da fé (dimensão expositiva). Aqui vemos a importância da Sagrada Escritura e do Catecismo da Igreja Católica. A catequese não é outra coisa que a transmissão vital e significativa dos documentos da fé( cf MPD 9), pelo que se pode agrupar em quatro, as linguagens de fé: doutrinal, litúrgica, orante e testemunhal.
Na transmissão da fé, a linguagem é algo imprescindível, a que devemos prestar atenção(cf DGC 208; CT 59). Jesus Cristo não se identifica em exclusiva com nenhuma cultura ou sistema de pensamento, mas revelou-se numa linguagem concreta. Foi certamente uma linguagem original e também normativa para qualquer outra linguagem que pretenda ser veículo da transmissão da Revelação.

quinta-feira, 23 de junho de 2005

Uma pedagogia para a Iniciação Cristã - I

Quando se fala em pedagogia, estamo-nos a referir ao modo de conduzir, organizar e tentar alcançar uns objectivos educativos, pelo que o conceito de pedagogia é mais amplo do que o de didáctica ou de metodologia.
Esta pedagogia é moldada pelo conceito de catequese ao serviço da iniciação cristã, com uns determinados conteúdos e um itinerário.
Para alcançar estes objectivos a pedagogia catequética precisa de instrumentos didácticos, lugares e pessoas que realizem a catequese.
Ao longo dos próximos tempos iremos propor uma determinada pedagogia, dividida em quatro dimensões ou coordenadas: a teológica, a catequética, a espiritual e a psico-pedagógica.
Image hosted by Photobucket.com

terça-feira, 21 de junho de 2005

Algumas Opções de Fundo!

Nos tempos que correm, considero que a Catequese terá que fazer algumas opções de fundo:
- A primeira opção é uma Catequese ao serviço da Iniciação Cristã. A catequese específica que se há-de realizar é a de uma autêntica iniciação ordenada e sistemática à revelação divina que Deus transmite à humanidade, em Jesus Cristo, conservada na Igreja e nas Sagradas Escrituras. Esta revelação é anunciada de geração em geração através de uma tradição viva, da qual a catequese é parte integrante(cf DGC 66). A catequese de iniciação, dentro do processo evangelizador, é o momento em que se estrutura a conversão a Jesus Cristo, num esforço de fundamentação da primeira adesão(cf DGC 63).
O Directório Geral da Catequese, no número 66, diz expressamente: «a catequese é, assim, elemento fundamental da iniciação cristã e está estreitamente ligada com os sacramentos de iniciação, de modo particular com o Baptismo, "sacramento da fé". O elo que une a catequese ao Baptismo é a profissão de fé, que é, ao mesmo tempo, o elemento interior deste sacramento e o objectivo da catequese. A finalidade da acção catequética consiste precisamente nisto: favorecer uma profissão de fé viva, explícita e actuante. Para alcançar esta finalidade, a Igreja transmite aos catecúmenos e aos catequizandos a sua fé e a sua experiência do Evangelho, a fim de que estes assumam como sua e, por sua vez, a professem»(DGC 66). Por isso, a catequese autêntica é sempre iniciação cristã.

- A segunda opção será pela significatividade da mensagem. Julgo estar ultrapassado o tempo em que para se ser bom cristão bastava dominar intelectualmente os conhecimentos doutrinais. Faz falta algo mais. A mensagem cristã deve poder ser vista por cada crente como uma abertura para a sua vida, uma resposta às suas dúvidas e anseios, uma fonte de valores e de plenitude de vida. Em síntese: a mensagem deve ajudar a descobrir o sentido e o significado da vida. A mensagem cristã deve tocar o saber, mas também o sentir e o querer.

- Um dos flagelos do cristianismo actual é a separação entre a fé e a vida: uma fé que não gera cultura. É certo que o DGC pede que ao cristianismo que se seja capaz de se inculturar nas diversas culturas, potenciando-as e iluminando-as. No nosso contexto, ganham especial destaque os fenómenos da pluralidade cultural, a modernidade e a pós-modernidade (com tudo que isso acarreta), o destaque da cultura mediática, a globalização de fenómenos culturais. Aqui a catequese vê a sua missão redobrada, pois tem de ser capaz de estar, dizer-se e propor-se.

- A catequese é, essencialmente, um processo comunicativo, e a comunicação é vista como uma das realidades mais determinantes e mais estudadas na actualidade, às quais a catequese evangelizadora não se deve alhear: deve repensar a sua identidade e a sua missão neste contexto e à luz das novas exigências. No âmbito catequético destaca-se sobretudo a necessidade de respeitar as regras e a ética da comunicação. No centro desta problemática encontra-se o tema da linguagem e das linguagens da catequese, um problema que toca a medula da comunicação catequética e que está muito longe de ter sido ainda resolvido. Ainda não são frequentes bons exemplos da utilização da linguagem da fé nos nossos ambientes eclesiais.
Por outra parte, experimenta-se também com força a necessidade de promover uma pluralidade de linguagens, superando assim a tradicional unilateralidade da linguagem expositiva magistral e valorizando mais o emprego das linguagens não verbais: a imagem, o som, o símbolo, a expressão corporal, os espaços, e muitas outras.

- Por último, a comunidade cristã, nas suas diversas modalidades, apresenta-se hoje como o lugar por excelência da catequese, enquanto permite uma autêntica experiência de vivência cristã e de aprofundamento na fé (DGC 158, 254). A catequese é, pois, uma actividade de todos os cristãos. Por isso, a catequese não se deve reduzir, ou ser reduzida, a uma actividade individual de uns quantos ou de alguém em particular: a comunidade é o lugar, meta e âmbito da catequese. Esta consciência abre a possibilidade de novos lugares ou vias para realizar a missão catequética.
Talvez seja altura das pequenas comunidades, dentro da Comunidade, assumirem todo o seu valor e potencial e serem, elas próprias, os grandes lugares catequéticos.
Image hosted by Photobucket.com
(c) 2005 - Luís Zilhão

segunda-feira, 20 de junho de 2005

Um texto lindo...

[Agradeço o comentário de Absurdo, que aprecio muito. Coloco-o aqui na totalidade]

Através do blogue Eidw fiquei a conhecer o A Catequese em Discussão. É por isso que queria deixar, por aqui, algumas considerações relativas à catequese católica, baseadas na minha própria vivência.Tive catequese do primeiro ao quarto ano, quando fiz a minha primeira comunhão. No ano seguinte, não me quis voltar a inscrever: a catequista mudava, e receava não ter tempo, com o ingresso no segundo ciclo; além disso, é verdade, não via a catequese como algo de muito apelativo para mim, nem sequer como algo importante. Por essa altura era raro ir à missa; fui, por uns tempos, após a primeira comunhão, mas logo deixei de ir.Foi só aos treze anos que senti como que uma chamada, e comecei a dedicar-me com maior fé às coisas da religião - até então, vivia num estado de profundo desligamento. Foi nessa altura que comecei a ler a Bíblia, que encarava, primeiramente, como fonte de cultura. Ora, o tempo foi-se passando, e o meu interesse e a minha fé crescendo. Então, um ano depois, decidi que haveria de retomar a minha formação católica (no entanto, inercialmente, nada de missas: sentia-me retraído para dizer a minha mãe onde ia). Mas firme ficou a decisão de me inscrever na catequese no ano seguinte - ou seja, no décimo ano. O objectivo era um: receber o Crisma. Sentia que isso seria a melhor maneira de me passar a responsabilizar pela minha fé, sendo também, o culminar do processo. Ora, nem mesmo nesse ano de catequese ia à missa. Só por vésperas do Crisma me confessei pela primeira vez em muito tempo, dando-me o Bispo o Crisma, e a Eucaristia, no Domingo seguinte. Desde então, sim, posso considerar a minha vida religiosa normalizada.Vem este registo autobiográfico para contextualizar as minhas impressões sobre a catequese. São-no sobre esse ano que lá andei (por sinal, o ano passado), já que, dos outros, a memória é parca. De qualquer forma, se na altura saí, foi porque não estava agradado.O facto é que guardo desse ano, e dessa catequese, não boas recordações: era um dos três rapazes, e num grupo com que nada simpatizava. A catequista, bastante jovem, até, não era propriamente uma mestre em Teologia Moral. Tinha muito jeito, é certo, para cantar Salmos, mas não sei: não a vejo como catequista. E como era, exactamente, aquela catequese? Era de várias formas. A maior parte das vezes, falava-se. Falava-se muito do amor, do amor, do amor. Cristo também falava - mas, no Evangelho, fá-lo sempre duma forma exacta, brilhante. Que é preciso amar, porque Jesus nos amou, sabíamos já todos, porque no-lo era repetido até à exaustão. E eu sei que é o único dever do cristão - amar: a Deus sobre todas as coisas, ao próximo, como a si mesmo. Mas depois disso vinha um chorrilho de banalidades, que tinham o condão de impacientar e desagradar quem por lá estava. - E o que é para ti o amor? E queres partilhá-lo? Caramba, o amor é aquilo que é para mim... E depois liam-se poemas, e textinhos bonitos - às vezes, tão lamechas quanto aquelas mensagens de correio electrónico brasileiras. Para quê, pergunto eu?É que o que mais me espantou foi o facto de a Bíblia estar por lá arrumada num canto. Talvez porque já a tinha lido, sentia uma falta imensa em não nos ser mostrado onde é que estava o que nos diziam. Nem mesmo a passagem do mandamento novo, o do amor. Não digo que isto tornasse a catequese mais aliciante para alguns que, quase contrariados, lá andavam. Mas pelo menos, os que andavam por gosto, ficavam a saber algo em termos. Digo, então, que aquelas catequeses pareciam as homilias que pouca ligação têm com as leituras - com a diferença de, na catequese, não haver leituras. Aliás, notei, também, que havia uma enorme distanciamento entre a catequese e a missa: parecia que nada tinham de ralacionado.E aquelas apresentações de diapositivos com uma música de fundo insuportável? E com crianças sorridentes a brincar num jardim, ou pássaros, ou exemplos de pôr-do-sol, que serviam de base a poemas monótonos e repetitivos? Davam sono...É, talvez, por isso, que há uma gradação decrescente no número de jovens inscritos na catequese. Por esta ser como é, e por eles serem como são. Que, é verdade, muitos só la andavam por obrigação dos pais.Assumo que é muito fácil criticar sem propor sugestões: mas se eu sei apontar os erros porque estive lá, não se me afiguram grandes correcções porque não tenho formação. De qualquer forma, sempre me parece que a iniciativa de ir à catequese tem de partir dos próprios jovens. Que não podem ser aliciados com papelinhos que dizem que é fixe e divertido e que, porventura, não têm qualquer efeito. A catequese é o que é. E deve ser o que parecer melhor a quem sabe. Julgo, porém, que o actual modelo não é o mais adequado: os seus resultados estão à vista.Como deveria ser, então? Em primeiro lugar, não se limitando a pregar o amor e outras virtudes, mas mostrando também os seus efeitos, e consequências da não prática delas. Ligando-se mais à missa, funcionando como complemento desta e em articulação com esta - talvez, explicando-se na catequese aquilo que o padre explica na missa, mas da forma mais adequada à idade de cada um. Preparando os jovens para os Sacramentos, direccionando-os a eles como a um objectivo a atingir - e demonstrando, portanto, as responsabilidades inerentes a cada um. (Não sei porquê, mas apetece-me referir, aqui, que sou fervoroso apoiante do neo-catecumenato.)E, enfim, fazendo-se por ser, para os jovens, mais que um dever, um direito que estes têm, e, enquanto direito, algo opcional e responsabilizante: é só para quem quer; quem quer terá responsabilidades; essas responsabilidades são o que conduz à participação plena na vida da Igreja, com todos os frutos que isso traz.Talvez o tom do artigo tenha sido um pouco duro, irónico nalguns casos. Não nego que a catequese, mesmo a que se pratica hoje, tem alguns bons resultados. Mas nós, cristãos, temos o dever de agir para a melhorar. A bem de toda a Igreja.
Absurdo

sábado, 18 de junho de 2005

Sábado, Junho 18 in Padre Zé

Ando de volta da Catequese de adultos, para o exame de Segunda. Entre muitas coisas interessantes que encontrei (é uma daquelas cadeiras importantes e interessantes, e que mais me tem dado que pensar?) deixo aqui uma, algo secundária, e mesmo muito duvidosa (que isto de classificar pessoas em estádios é tudo menos matemático, e quanto aos estádios em si também têm pouco de matemático?), mas que pode ajudar a pensar o nosso «estádio pessoal»?
A teoria é de Fritz Oser que, como método de investigação, usava os dilemas, nomeadamente o «dilema de Paul»:

Paul, um jovem médico com um futuro brilhante diante de si, parte para umas férias no fim dos estudos. Quando o avião tem uma avaria e começa a cair, Paul reza e faz a promessa de, a partir desse momento, pôr a sua vida ao serviço dos mais pobres em África, no caso de se salvar. Paul sobrevive, mas depois é-lhe oferecida uma situação profissional aliciante. Deve ou não aceitar? Deve partir para a África como tinha prometido? Paul fica na Europa, e alguns meses depois tem um acidente de automóvel. Trata-se de uma punição por não ter mantido a promessa? Entra aqui a vontade de Deus? Uma promessa deve ser sempre mantida? Recorda-se de situações semelhantes na sua vida? Como teria respondido às mesmas perguntas há alguns anos?

Da análise das respostas, Oser elabora uma proposta de leitura dos «estádios da fé» que Emílio Alberich resume assim:

Estádio 0: perspectiva da «dicotomia interno-externo» (até aos 2/3 anos) e Estádio 1: «deus-ex-machina» (entre 2/3-6/8 anos)
A criança pequena não tem ainda um «Último» (atitude pré-religiosa). Mais tarde sente-se dependente de um «Último» que intervém de forma pontual e imediata no mundo para punir ou ajudar os homens, como o deus-ex-machina das tragédias gregas. O Último é «sujeito absoluto»: o homem é objecto e executor.

Estádio 2: «do ut des» (entre 6/8-11/13 anos, às vezes até à idade adulta)
Neste momento, a criança pode não apenas reagir ao Último, mas agir sobre ele, com meios que permitem obter a sua benevolência e serviços ou fugir à sua punição. Neste estádio mantém-se com o Último uma relação de reciprocidade («dou para que dês»). O agir humano assume uma nova importância frente a este «sujeito (ainda sempre) absoluto».

Estádio 3: «deísmo» (depois dos 11/13 anos, às vezes até à idade adulta)
Algumas experiências negativas (desilusões) com o Último fazem muitas vezes o homem voltar-se para si mesmo: ele percebe que agiu e viveu «bem» e, no entanto, é vítima da desgraça. A ideia que é o próprio homem o responsável pela sua vida orienta o seu parecer, e nesta espécie de «teoria dos dois Reinos» procura estabelecer um equilíbrio entre «aquilo que é de Deus e aquilo que é do homem». A pessoa tem então a possibilidade de «delimitar o seu território»: o Último agora não intervém directamente no mundo (deísmo). Neste estádio nega-se, por vezes, a existência deste Último (agnosticismo ou ateísmo) em nome da autonomia.

Estádio 4: «a priori» e «correlação»Um novo passo é muitas vezes interpretado como uma regressão, pois dá-se de novo uma ligação com o Último. A responsabilidade e a liberdade (permanece-se livre) orientam sempre o parecer, mas com a experiência que qualquer coisa é confiada ao homem. O Último é considerado como o fundamento transcendente que cria «a priori» as condições das relações humanas, da liberdade e da sociabilidade. Admite-se muitas vezes a existência de um «plano», no sentido que o homem se envolve através de uma lei interna para qualquer coisa de mais perfeito (um «Ómega»). Deus e o mundo não são mais pensados como duas esferas separadas: existe correlação (o profano é entendido como uma parábola do divino).

Estádio 5: «intersubjectividade» absoluta
Neste ponto, o Último é considerado como «liberdade absoluta» que quer ter necessidade dos homens. Manifesta-se sobretudo na inter-subjectividade e na não contingência. Agora o homem não tem mais necessidade do «plano»: ele procura a solidariedade universal numa liberdade absoluta no confronto com o outro. Ele não é apenas livre frente ao Último (estádio 3) e graças ao Último (enquanto condição do agir humano: estádio 4), mas é «livre para» o Último. Uma dinâmica interactiva (o homem age livremente para Deus e Deus para o homem) orienta agora a vida na qual o Último está presente. E se o homem participa de maneira responsável e activa numa comunidade, faz uma experiência transcendente. As normas e a lei interna (plano) são superadas e integradas na dinâmica desta interacção.
Adivinhem quem escreveu... isso mesmo foi o Zé

Uma conversão pastoral

Depois de ler Emilio Alberich, faço eco de uma sugestão: a conversão pastoral.
Diz ele que hoje sente-se a urgência de uma mudança radical em vista de uma nova orientação pastoral na acção dos fiéis cristãos. Estamos diante de uma praxis pastoral tradicional, centralizada preferencialmente sobre a sacramentalização e na prática religiosa, que não tem futuro, que não é capaz de assumir uma autêntica opção evangelizadora, nem de responder aos desafios da nova cultura.
A tão proclamada nova evangelização projecta todo o trabalho pastoral numa perspectiva missionária, para a qual não estamos preparados.
Bem lá no fundo do problema encontra-se a necessidade de um diálogo sincero entre fé e cultura, na atitude de sincera e simpática compreensão para com o mundo de hoje, sem, por outra parte, renunciar ao necessário dever do discernimento evangélico. Sobretudo, requer-se o abandono, sem saudosismos, de toda a visão eclesiocêntrica e de todo desejo de reconquista de posições perdidas. Nesta perspectiva, devem ser superadas as frequentes tentações de cair na rigidez fundamentalista ou no fechamento elitista ou sectário.

... e não é que Alberich tem razão!

terça-feira, 14 de junho de 2005

Oração

Chamaste-me, Senhor,
para que eu continue a tua obra de anúncio do Reino
que Jesus, teu Filho e nosso irmão, inaugurou em nós.
Com os profetas quero gritar-Te:
Olha, Senhor, que sou apenas uma criança
que não sabe falar.
No entanto, estou aqui para cumprir a tua vontade
e anunciar a todos que és o Deus do amor.

Senhor, conheces muito bem toda a minha vida
as minhas dúvidas, as minhas fragilidades
e os meus passos vacilantes.
Por mim, Senhor, nada posso.
Só quero que a minha vida esteja à tua disposição
como esteve a de Maria, a crente simples, a boa Mãe.

Senhor,
que eu saiba proclamar a tua mensagem
no meu grupo,
na comunidade cristã onde vivo,
para que a boa nova chegue a todos
e haja um só rebanho
e Tu sejas o nosso único Pastor.
Amen.

Álvaro Ginel

domingo, 12 de junho de 2005

Mudam-se os tempos...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o Mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.
Luís Vaz de Camões


Image hosted by Photobucket.com

  • Estará a catequese de hoje, nomeadamente nos seus actores da ribalta, à altura de perceber a mudança que se deu no modo de mudar?
  • Quais os caminhos a trilhar para se realizar uma catequese fiel ao Mestre e ao discípulo?


quinta-feira, 9 de junho de 2005

Senhor!

Concede-nos, Senhor,
que falemos todas as línguas
do mundo contemporâneo:
da cultura e da civilização,
da renovação social, económica e política,
da informação
e dos meios de comunicação social.
Concede-nos que anunciemos
as tuas grandes obras
por toda a parte e em todas as coisas.
Que venha o Teu Espírito!
Que renove a face da terra
pela «revelação dos filhos de Deus».

João Paulo II

terça-feira, 7 de junho de 2005

O Catequista

A década de 90 viu nascer dois instrumentos valiosos no âmbito catequético: o Catecismo da Igreja Católica(1992) e o Directório Geral da Catequese(1997). Nestes, podemos encontrar o resultado de toda a riqueza que o Concílio Ecuménico Vaticano II fez emergir na Igreja.
Mesmo a forma como o Catecismo foi acolhido mostra como, na Igreja, há tensões que nada ajudam à transmissão da fé. Há até a veleidade de, pela forma como se olha o Catecismo, pretender catalogar a que grupo de cristãos se pertence. É pena! Ou não somos todos de Cristo?!?
O Directório, por sua vez, ao consagrar uma catequese de estilo catecumenal, e ao pôr no devido destaque a Iniciação Cristã, coloca a descoberto um grande problema: faltam comunidades capazes de acolher, acompanhar e iniciar na fé.
Mas eu vejo o futuro com esperança. Sei onde pode estar a solução: nos catequistas, expressão da preocupação missionária de uma comunidade que, podendo não o ser, se quer capaz de iniciar na fé aqueles que mostram interesse em fazer um caminho de incorporação no Corpo Místico de Cristo.
Image hosted by Photobucket.com
O Catequista é «chamado a ensinar Cristo deve, portanto, antes de mais nada, procurar esse lucro sobreeminente que é o conhecimento de Jesus Cristo. Tem de aceitar perder tudo (...) para ganhar a Cristo e encontrar-se nEle e conhecê-Lo, a Ele, na força da sua ressurreição e na comunhão com os sofrimentos, conformar-se com Ele na morte, na esperança de chegar a ressuscitar dos mortos»(CCE 428).
É deste despojamento que há-de surgir a Catequese.

segunda-feira, 6 de junho de 2005

Algumas sombras

No nosso ambiente da catequese podemos encontrar, juntamente com muitos sucessos e experiências gratificantes, um certo mal-estar que se evidencia nos seguintes fenómenos:
- A catequese, que devia ser de iniciação cristã, não inicia. A conclusão da celebração dos sacramentos de iniciação cristã é vista, por muitos adolescentes e jovens, como o fim da vida cristã. O processo de iniciação converteu-se em «conclusão» da vida cristã!;
- A catequese, apesar de se realizar também com jovens e adultos (e há várias experiências dessas) ainda é vista como uma coisa de crianças, infantil e infantilizante;
- A catequese também é vista como escola, com a mera preocupação da transmissão de conteúdos cognitivos, ignorando a totalidade da pessoa. A catequese não «toca» os corações, não é significativa.
- A catequese, que deve de ser missionária, vive quase exclusivamente daqueles que se «inscrevem», é incapaz de se propor em âmbitos a-cristãos.

sábado, 4 de junho de 2005